BLOG Malta

Mdina


Mdina é a antiga capital de Malta, e Rabat é o seu subúrbio. Acredita-se que uma vila da Idade do Bronze tenha se erguido numa das pontas da colina onde Mdina está hoje. A área foi posteriormente ocupada pelos fenícios, cartagineses e romanos e tornou-se um importante centro urbano. Na época dos romanos a cidade era conhecida como Melita, e tinha pelo menos três vezes mais o tamanho da atual Mdina.



Mdina permaneceu como o principal centro administrativo e a única cidade fortificada de Malta até o século XVI. A queda do Império Romano levou a séculos de grandes incertezas. A área da cidade foi reduzida ao tamanho atual, provavelmente durante o período bizantino. O caráter dos edifícios também mudou, enquanto as instituições de governo da ilha e várias famílias importantes estabeleceram seus edifícios na cidade.







Permaneceu como centro administrativo ao longo da época medieval e também era onde se situava a catedral, a principal igreja das ilhas malteses. Tudo isso mudou em 1530, quando as ilhas foram cedidas à Ordem de São João, o que levou a uma diminuição da importância da cidade porque os cavaleiros se estabeleceram perto da área do porto, primeiro em Birgu e depois em Valletta.







Sob a Ordem, Mdina entrou num período de declínio e quase abandono pelo governo central, assim como pela população local. Com o terremoto de 1693 a cidade sofreu muitos danos, a destruição atingiu vários edifícios públicos e privados, as fortificações e a catedral sofreram danos muito graves.



Isto conduziu a uma política de renovação, que foi iniciada pela Igreja que construiu uma nova catedral barroca desenhada por Lorenzo Gafà. O Grão-Mestre Manoel de Vilhena reconstruiu a entrada principal e vários outros edifícios públicos. Tudo isso restaurou a dignidade da cidade. Mdina é hoje uma das principais atracções das ilhas maltesas, com as suas ruas antigas e medievais, a catedral e edifícios barrocos, e o ambiente idílico que se faz sentir ao percorrer as suas ruas.









Os locais de interesse incluem as fortificações que são uma lembrança de tempos passados, e os tempos em que essas paredes viram o inimigo sitiando-as como em 1429 e 1551. Os habitantes sempre quiseram manter essas fortificações no seu melhor estado, pois eram a única proteção que poderia protegê-los de uma morte violenta ou da escravidão. A entrada da cidade faz-se por uma magnífica porta barroca.







Um dos edifícios mais interessantes de Mdina é o Palácio de Vilhena, construído por ordem do Grão-Mestre Manoel de Vilhena. O palácio foi construído no estilo barroco francês, que na altura predominava nas ilhas.

A sinuosa rua principal de Mdina segue o traçado das ruas medievais. Uma pequena igreja dedicada a Santa Aghata pode ser vista ao virar a primeira esquina. Ao lado, encontra-se o convento e a igreja das freiras beneditinas, instaladas na cidade desde o século XIV.



Catedral de São Paulo

Na praça principal, ergueu-se majestosamente a catedral de São Paulo de tal forma que as restantes contruções da cidade pareciam muito pequenas ao seu redor. A atual catedral foi erguida depois que o terremoto de 1693 que destruiu a antiga catedral. O vizinho Museu da Catedral também merece uma visita. Este edifício foi originalmente concebido para ser o seminário para formar futuros padres. Durante a década de 1960 foi transformado no Museu da Catedral e é hoje considerado um dos museus artísticos mais importantes de Malta. Há uma bela coleção de pinturas, talheres, paramentos de igreja e uma série única de gravuras de Albrecht Durer.









Partilhar isto


Relacionado

Campanha Djerba Lovers
Categoria: Blog

Black Friday
Categoria: Blog

Malta