BLOG Malta

Ilha de Gozo


Gozo é a segunda maior ilha do arquipélago maltês, e por vezes é designada como a ilha onde o tempo parou. Em certas áreas, realmente parece que o mundo moderno ainda não chegou lá. É comum ver um fazendeiro indo para o seu campo montado numa mula ou numa carroça muito velha e frágil.



A maioria das aldeias ainda são pequenas e as ruas estreitas e sinuosas oferecem o ambiente para quem regressou ao passado. Gozo é um lugar para aproveitar a vida em um ritmo mais lento. As várias pequenas aldeias e as curtas distâncias oferecem a oportunidade de ver muito da ilha.





Existem várias baías para relaxar e nadar no mar azul claro. Algumas baías são de difícil acesso, mas a maioria tem bons sinais e não estão tão lotadas quanto as baías de Malta.









A mais popular é a Baía de Ramla, com sua maravilhosa areia avermelhada e fofa.





Duas excelentes pequenas aldeias piscatórias devem ser visitadas, nomeadamente Marsalforn e Xlendi, enquanto Mgarr, no porto, também oferece boa comida. Numa pequena ilha como Gozo, rodeada pelo mar e pela presença de pescadores, é lógico que haja uma boa quantidade de restaurantes de peixe, muitos dos quais com uma boa relação qualidade / preço. A movimentada área da Baía de Marsalforn, com seus vários restaurantes, oferece um bom lugar para um passeio noturno. Xlendi também tem sua vista panorâmica do vale e vários restaurantes localizados na beira-mar.











Nadur é outra aldeia. A sua igreja paroquial domina o horizonte e a praça da aldeia. As pequenas baías são muito apreciadas pelos locais e pelos poucos turistas que as conseguem encontrar. A partir daqui, uma caminhada até a Torre Kenuna oferece uma excelente vista da área e do canal entre as ilhas. É fácil observar o trânsito no canal, assim como a popular Lagoa Azul em Comino. Também facilmente visível deste lugar alto é Xewkija, com a sua grande cúpula da igreja paroquial dominando não só a aldeia, mas também a paisagem circundante. A igreja paroquial de Xewkija é uma maravilha de se ver. O tamanho do pequeno vilarejo, a escultura e as decorações internas e a vista do topo são impressionantes.





Victoria

A cidade principal é Victoria, ou Rabat, como é conhecida coloquialmente. É uma mistura do antigo e do moderno em uma pequena comunidade que vive muito do turismo, tanto interno quanto externo. Os arredores de Rabat estão repletos de edifícios e comodidades modernas mas, à medida que nos aproximamos do centro, da pequena praça que se desdobra na praça principal da cidade, senão da ilha, começa-se a compreender o sentimento da história . Os edifícios são principalmente do final do século XVIII ou mesmo do século XIX e início do século XX.







A praça é o centro da atividade. As bancas do mercado que podem ser vistas durante a manhã incluem vendedores ambulantes que vendem diferentes quinquilharias, barracas de verduras típicas e vendedores de peixe. Perto da mesma praça, também se pode comprar um ou outro móvel antigo ou uma lembrança. A partir desta praça pode-se caminhar em direção à basílica de São Jorge e a antiga paisagem urbana medieval, ou subir a colina em direção à cidadela medieval com suas fortificações, catedral e vistas magníficas. A área ao redor da basílica de São Jorge é caracterizada por suas ruas estreitas, características arquitetônicas particulares, a própria igreja e seus pequenos espaços abertos.





A Cidadela

A Cidadela é obrigatória para todos os visitantes. A atmosfera deste pequeno lugar fortificado dá uma indicação de quão precária era a vida do ilhéu no passado. Um momento difícil foi em 1551, quando uma grande força pirata desembarcou em Gozo e, após um cerco de três dias, levou quase todos os habitantes à escravidão.







Os bastiões impressionam por seu tamanho pequeno. Eles oferecem as melhores vistas das áreas circundantes, das aldeias, das colinas e da cidade de Victoria mais abaixo. A Cidadela também oferece um passeio pelas ruas, que possuem vários cantos pitorescos e pequenos museus. Há o Museu de Arqueologia com seu material altamente interessante da pré-história e da antiguidade, o Museu do Folclore, o Museu de Ciências Naturais, o Museu da Catedral e as antigas pequenas prisões.





A catedral de Gozo

A catedral dedicada à Assunção de Nossa Senhora é imponente, com a sua escadaria e a fachada barroca do século XVII. O interior da catedral é decorado com uma atraente pintura em cúpula falsa.







Basílica Ta 'Pinu

Esta famosa igreja é visitada por todos e as orações são feitas dentro desta igreja geralmente para pedir alguma ajuda ou agradecer a Nossa Senhora pela ajuda já prestada. Uma visita ao interior deste santuário atesta esta grande devoção.

A arquitectura é única, com destaque para a cantaria, devendo notar-se as numerosas ofertas votivas oferecidas a Nossa Senhora em sinal de agradecimento ao longo dos séculos. Esta grande devoção teve origem depois que uma solteirona, que costumava parar para fazer uma oração antes de voltar para casa depois de um dia de trabalho no campo, contou uma série de experiências quando Nossa Senhora falou com ela.





Isso levou ao reconhecimento oficial da Igreja e às peregrinações organizadas pela população. Na colina em frente à igreja, estátuas da Paixão marcam uma Via Sacra com uma enorme cruz no topo.



Xaghra

Uma vila que não pode faltar pelos seus vários vestígios históricos e arquitetônicos é Xaghra. Aqui se encontra a famosa Caverna Calypso. A caverna está ligada à lenda de Ulisses, que foi mantido aqui por sete anos pela ninfa Calipso, antes que ela o permitisse voltar para sua sempre sofredora esposa, Penélope. A vista deste ponto, acima da entrada de uma pequena caverna, é fantástica. Abaixo está a areia conhecida como Baía Ramla, que contém os restos de um banho romano ainda preservado sob as dunas de areia.





Templos Ggantija

Em Xaghra também se encontram os templos Ggantija. Estes consistem em dois templos adjacentes um ao outro. As três absides internas constituem o primeiro templo construído no local. Mais tarde, duas outras absides foram adicionadas, enquanto outro novo templo foi erguido ao lado da estrutura mais antiga. O estilo de construção deste templo é completamente diferente. Além de algumas pedras angulares revestidas, as outras são deixadas completamente em seu estado bruto e são mais semelhantes ao estilo ciclópico que seria dominante na Idade do Bronze do que ao Período do Templo. No entanto, os restos de sua fachada são mais impressionantes e atingem uma altura considerável.







Dwejra

Dwejra é um sítio natural que atrai um bom número de visitantes por vários motivos. Aqui existe o único Mar Interior, e pode-se facilmente fazer um pequeno passeio de barco para fora da entrada do túnel natural em mar aberto.



Há a Janela Azul (Azure Window), uma curiosa formação rochosa que se ergue no mar azul profundo. Caminhar nesta área também é recomendado, especialmente nos meses mais frios. Do outro lado do Mar Interior, há uma outra pequena baía com sua impressionante Pedra Fungos que oferece proteção a qualquer embarcação que se abrigue dentro dela. O acesso a esta rocha é restrito porque foi declarada reserva natural. Durante o século XVIII, também era protegida pelo Estado, pois se pensava que determinada planta que se pensava só poderia ser encontrada ali, possuía excelentes valores medicinais.





Partilhar isto


Relacionado

Campanha Djerba Lovers
Categoria: Blog

Black Friday
Categoria: Blog

Malta